Horta doméstica é solução para quem quer plantar e tem pouco espaço

O cultivo de hortaliças, legumes e frutas dentro de casa enfeita a cozinha e ainda é um benefício à saúde por não ter substâncias químicas

por André Ribbeiro, Oda Paula Fernandes e Victor Monteiro

Falta de espaço para ter uma horta em casa, não é mais desculpa. Até mesmo em ambientes pequenos, como sacadas de apartamentos é possível cultivar boa parte das verduras e ervas consumidas em casa. As opções são várias e podem estar em boa parte do que é descartado pelas famílias, como recipientes “descartáveis”. Com um pouco de cuidado e dedicação, é possível plantar temperos, a maioria das hortaliças e ainda alguns legumes e frutas, como o tomate. Técnicos da Embrapa Hortaliças explicam que o processo é bem simples e dá pra começar a ter os primeiros resultados cerca de 60 dias após o plantio.

O crescente interesse das pessoas em consumir alimentos frescos e saudáveis incentiva cada vez mais o cultivo de hortas domésticas. E os cultivados em casa, além de econômicos, têm a vantagem de estar livres de agrotóxicos. Para este tipo de cultivo, técnicos não indicam o uso de qualquer produto químico, somente controle natural, o que já é um grande benefício à saúde.

Este tipo de prática pode trazer proveito em diversos outros aspectos. A supervisora da área de transferência em tecnologia da Embrapa, Flávia Clemente, explica que o cultivo de hortas em pequenos espaços, na grande maioria das vezes, se torna também um momento de terapia. “Seja um momento em família, um momento educativo para você ensinar crianças a cultivarem hortaliças, mostrar como são as hortaliças e também um momento de terapia, de relaxamento em que você mexe na terra, com a natureza”.

O técnico de plantio em pequenos espaços, Orébio Oliveira, explica que as folhosas são ideais para este tipo de cultivo. “Primeiro porque ela exige um volume menor de terra e o ciclo de produção é mais rápido. Já está pronta para consumo em torno de 60-70 dias”. Orébio esclarece também que outros tipos de plantio são possíveis, mas são um pouco mais difíceis. “Raízes como cenoura e beterraba exigem um volume maior de terra. Para isso será necessário um recipiente de maior profundidade”, explica. Importante lembrar que ao reutilizar alguns tipos de vasilhames que sejam completamente fechados, é necessário fazer furos para que a água possa escoar, evitando, assim, encharcar as raízes do que está plantado.

Recipientes ideais para o cultivo de hortas domésticas são garrafas pet, potes de sorvete, latas em geral, pneus velhos e até tubos de PVC. Não se recomenda o uso de caixas de leite, uma vez que estas são revestidas internamente por camadas de alumínio. Com o tempo, este material pode se misturar com o solo e acabar sendo absorvida pela planta, se tornando imprópria para consumo.

Existem técnicas para todo o processo de cultivo em pequenos espaços. O solo e o espaçamento entre as plantas, por exemplo, são adaptados para este sistema. Alguns princípios são básicos: é essencial que o ambiente onde a horta fique receba sol ao menos em um período do dia para que as plantas possam se desenvolver.

Morador da 313 norte, o bancário aposentado Ranilson Diniz, 67 anos, tem o hábito de cultivar hortaliças e plantar frutas como a uva e graviola. Antes, quando morava em casa, ele cultivava alimentos e plantas ornamentais. Quando se mudou para um apartamento, teve o espaço limitado para este tipo de prática. Recomeçou a plantar por acaso. Ele estava comendo uvas e descartou a semente em um jarro vazio. Algum tempo depois a semente germinou. Hoje seu Ranilson tem uma parreira na varanda. “As plantas também ajudam naquilo que é o meu hobby, que são pássaros”, diz, ao lembrar que as aves costumam pousar na parreira ao longo do dia.

Slide Show – Horta Doméstica

Matéria de Rádio

Anúncios